Olá, meu nome é Ronei e hoje eu vou esclarecer algumas vantagens sobre investir em energia solar, especificamente no Rio Grande do Sul.

Já tratei em outros textos sobre como funciona a energia solar e quanto tempo leva para ter o dinheiro investido de volta. Caso ainda não tenha lido, convido você a fazer isso agora, clicando aqui para o primeiro tema e aqui para o segundo.

Energia solar no Brasil

Antes de falarmos sobre a irradiação solar no estado do Rio Grande do Sul, é importante pontuarmos um fato: de acordo com o Ministério de Minas e Energia (2014), a energia solar é disparado o recurso natural disponível mais abundante – daí sua notoriedade cada vez maior no mundo todo. Além, é claro, de ser um dos recursos mais sustentáveis.

Em todo o território brasileiro, temos alto índice de irradiação solar (com variação entre 1.200 e 2.400 kWh/m²/ano), à frente da maioria dos países europeus, onde há pouca incidência de sol, principalmente no inverno, e mesmo assim grande parte da energia gerada lá vem do sistema fotovoltaico.

Nosso País está entre os que conquistaram o “grid parity” (paridade de rede), ou seja, a geração de energia fotovoltaica já é considerada financeiramente mais vantajosa quando comparada à eletricidade de rede (cedida por concessionárias) nas regiões onde há maior irradiação solar. O que contribui para esse dado, não é apenas a enorme incidência solar, mas os altos encargos repassados ao consumidor pela concessionária da eletricidade de rede. É isso faz a energia fotovoltaica se destacar como uma opção mais interessante, já que não tem taxas nem impostos a serem pagos todo mês.

Conforme divulgado pelo IBEAS (Instituto Brasileiro de Estudos Ambientais), no Brasil temos em média 280 dias de sol por ano. Se compararmos com a Alemanha, por exemplo, a menor incidência solar no Brasil ainda é cerca de 300kWh/m² maior que a incidência da área mais ensolarada da Alemanha.

A taxa média anual de insolação é em média 2 vezes mais alta no Brasil do que na Alemanha, e em função disso, por aqui o retorno sobre o investimento em energia solar ocorre cerca de 7 vezes mais rápido.

É válido notar inclusive que Brasil e Alemanha firmaram um acordo, promulgado em 2012, de cooperação em energia, com a finalidade de “incentivar a produção e o uso de energias renováveis, como a solar, e obter maior eficiência nos processos produtivos, através do intercâmbio científico e da transferência de tecnologias entre ambos os países” (Congea, 2013).

Esse acordo de cooperação só tem a nos beneficiar, pois com toda experiência, estrutura, pesquisas e tecnologia já desenvolvida na Alemanha, será possível alcançarmos avanços significativos em um prazo mais considerável.

Potencial solar do RS

No Rio Grande do Sul, o nível de incidência solar tem uma média alta, o que garante abastecimento para geração de energia durante todo o ano.

Os meses de maior insolação, no entanto, são os meses de verão, nos quais o estado bate os mais altos índices de todo o território nacional.

Veja na imagem abaixo, do Atlas Solarimétrico do Brasil – elaborado pelo Centro de Pesquisa de Energia Eólica (Cepel), Centro de Referência para Energia Solar e Eólica Sérgio Brito (Cresesb) e pela Universidade Federal de Pernabuco (UFPE) –, a representação da média mensal de radiação solar diária no mês de dezembro.

A maior incidência solar está no interior, a oeste do estado, passando pelas cidades de Uruguaiana, São Borja, Alegrete e Santiago, seguido pela parte mais central, incluindo a região das cidades de Santa Maria, São Gabriel, Bagé, Cachoeira do Sul, Passo Fundo e Erechim, a capital Porto Alegre e seus arredores, a região turística de Gramado e Canela até Pelotas e quase toda a extensão litoral do estado.

Fonte: CEPEL – Centro de Pesquisa de Energia Eólica.
Fonte: CEPEL – Centro de Pesquisa de Energia Eólica.

Com tanto sol garantido no estado do Rio Grande do Sul, se você planeja fazer algum investimento, não deixe de considerar a ideia de investir em painéis solares.

Primeira usina solar do RS

Corroborando com os dados acima, em dezembro do ano passado foi inaugurada a primeira usina solar do Rio Grande do Sul. O local escolhido para construção da usina foi a região da cidade de Boa Vista das Missões, no Noroeste do estado, pela elevação do terreno e por ter menos incidência de cerração, segundo o diretor técnico responsável.

A usina de energia solar conta com cerda de de mil placas solares distribuidos em 25 painéis, que garantem a geração de 257 kW de energia. Com essa capacidade de energia gerada pela usina, cerca de 300 famílias poderiam ser abastecidas.

Conforme o presidente do Grupo Creluz, responsável pelo empreendimento, Elemar Battisti, um dos fatores que impulsionou e ajudou a viabilizar o projeto da usina foi a nova lei de isenção de ICMS sobre a mini e microgeração de energia oriunda de fonte renovável.

Não é ao acaso que até usina solar já temos em nosso estado. Faça você mesmo um comparativo, peça um orçamento sem compromisso e assim avalie as vantagens que citei aqui para você, sob a ótica da sua própria realidade, em termos de consumo e economia de energia.

Até mais!